Resultado das Inscrições para 5ª etapa da ASIE

18/11/2022 18:18

Nota de esclarecimento sobre o processo de seleção da 5a edição da ASIE – Núcleo SC:

A ASIE – Núcleo SC informa que devido ao número de inscritos/as para a 5ª edição ultrapassar as 150 vagas (58 Guarani, 69 Kaingang e 23 Laklãnõ-Xokleng) disponibilizadas pelo MEC na presente etapa, foram adotados os critérios de seleção dispostos no Edital.

É importante ressaltar que houve um corte considerável no número de vagas abertas pelo MEC em todo o Brasil, impossibilitando a ampla participação de professores em exercício. Sendo assim, foram selecionados apenas professores indígenas que estão com seu vínculo ativo na SED-SC.

Sendo esse um projeto de formação de professores, o MEC destaca que aqueles que já participaram das edições anteriores podem somar até 800 horas de certificação (200h para cada etapa). Portanto, indica a prioridade de inclusão de NOVOS professores, ou seja, que ainda não atuaram em edições anteriores e que possuem maior disponibilidade (menor carga horária). Diante disso, foram realizados os cortes de seleção que inviabilizaram a participação de professores com carga horária de 40 horas ou superior.

Os professores interessados que não foram selecionados podem atuar como VOLUNTÁRIOS, recebendo ao final a declaração de participação com carga horária correspondente.

Em caso de desistência ou impedimento da participação dos cursistas e orientadores selecionados, serão convocados os professores inscritos para preenchimento das vagas de acordo com a ordem de classificação.

UFSC – SED SC, 23 de novembro de 2022.

LISTA DE ORIENTADORES E CURSISTAS – 5ª EDIÇÃO

LISTA DE ORIENTADORES E CURSISTAS – 5ª EDIÇÃO (errata)

Homenagem póstuma a MARCOS ROBERTO FERNANDES – Kaingang

12/11/2022 22:45

Nesta madrugada de 12 de novembro de 2022 partiu MARCOS ROBERTO FERNANDES, indígena Kaingang nascido na Terra Indígena Xapecó, oeste de Santa Catarina, onde viveu até hoje. O fato deixa chocada a equipe da Ação Saberes Indígenas na Escola – Núcleo SC. A notícia faz estremecer e emudecer. Entristece. Vagueia nos corações, como a pedir sentido.

Marcos era professor da Escola Indígena de Ensino Fundamental Paiol de Barro e integrou a Ação Saberes Indígenas na Escola – Núcleo Santa Catarina (UFSC – SED SC) da primeira à quarta edição, tendo se inscrito nesta semana para atuar como professor orientador de estudos na quinta edição, a iniciar em breve.

Marcos é egresso da primeira turma do curso Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica da UFSC, cuja formatura ocorreu em abril de 2015. Meses antes apresentou o Trabalho de Conclusão de Curso, formulado com a colega Kaingang Juliana Teresinha de Oliveira, intitulado O ARTESANATO KAINGANG NA T.I. XAPECÓ. Nele ambos prestam agradecimentos aos parentes, à família.

Marcos assim se expressa no início do TCC:

“Também quero prestar meus muitos agradecimentos a duas pessoas que foram fundamentais nas informações para mim sobre a cultura indígena kanhgag, pois com tudo o que aprendi sobre os costumes e crenças do povo kanhgag foi graças e essas duas pessoas que não se encontram mais neste mundo que são meus avos Rivaldina Luiz e Vicente Fòkaj Fernandes mas sei que estão no meio dos espíritos kanhgag nos observando que estamos tentando fazer com que a cultura kanhgag não seja esquecida e nossos artesanatos também.”

Atuante e comprometido com a educação escolar indígena na T.I. Xapecó, Marcos não se encontra mais neste mundo, mas agora está no meio dos espíritos kanhgag nos observando, dando realce a suas próprias palavras.

O que te desejamos na nova caminhada, Marcos? Paz, luz e amor.

Equipe de coordenação da ASIE-Núcleo SC (UFSC e SED SC) em 12.11.22.

INSCRIÇÕES PARA 5ª EDIÇÃO – ORIENTADORES DE ESTUDOS E PROFESSORES CURSISTAS

07/11/2022 08:58

Estão abertas as inscrições de processo seletivo para a 5ª Edição do Programa Ação Saberes Indígenas na Escola Núcleo-SC, resultado de exercício conjunto entre a SED/SC, UFSC, Escolas/comunidades Guarani, Kaingang e Laklãnõ/Xokleng.

O Processo Seletivo destina-se ao provimento de vagas para professores cursistas e orientadores de estudo. Poderão participar orientadores pedagógicos e professores vinculados a escolas indígenas da Rede Pública Estadual, preferencialmente àqueles que atuam nos anos iniciais do Ensino Fundamental.

O(a) candidato(a) interessado(a), que atenda aos critérios anteriores, deverá preencher o formulário de inscrição no período de 07 a 14 de novembro de 2022:

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO – ORIENTADOR(A) DE ESTUDOS

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO – PROFESSOR(A) CURSISTA

Para mais informações, consulte o edital e portaria completa – Asie2022

** A ASIE informa que devido ao número de inscritos/as para 5ª edição ultrapassar as 150 vagas (58 Guarani, 69 Kaingang e 23 Lakãnõ-Xokleng) disponíveis na presente etapa, estamos trabalhando para processar e classificar os candidatos/as de acordo com os critérios estabelecidos no edital. O resultado deve estar disponível nesta página até dia 23/11/2022.

Homenagem Póstuma ao professor Luciano Fernandes

22/04/2022 13:14

A Ação Saberes Indígenas na Escola manifesta seu profundo pesar quanto ao falecimento de Luciano Fernandes. Desde a primeira edição da ASIE, Luciano esteve colaborando como professor e orientador de estudos.

À família e comunidade da TI Xapecó, nossa euipe presta suas condolências, solidariedade e agradecimentos.

Homenagem Póstuma à anciã Laudelina Ciqueira

14/12/2021 17:43

A Ação Saberes Indígenas na Escola manifesta seu profundo pesar quanto ao falecimento da anciã Laudelina Ciqueira que colaborou intensamente nas atividades desenvolvidas na 4ª edição do Projeto.

O sentimento é de gratidão por tantos aprendizados.

NOTA DE APOIO ÀS TERRAS INDÍGENAS KAINGANG DIANTE DO IMPACTO DOS ARRENDAMENTOS EM SEU TERRITÓRIO

21/10/2021 11:13

A Ação Saberes Indígenas na Escola – Núcleo Santa Catarina (ASIE-SC) vem a público manifestar seu repúdio à extrema violência que está sendo perpetrada contra famílias Kaingang da Terra Indígena Serrinha (RS), motivada pelo arrendamento de terras para o plantio de soja.

Tomando como base notícias jornalísticas, notas de organizações como a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), a Articulação dos Povos Indígenas da Região Sul (ARPIn-Sul), a Organização Indígena Instituto Kaingang (INKA), a Associação Brasileira de Antropologia (ABA), o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), a ASIE-Núcleo da UFRGS, a Licenciatura Intercultural Indígena da UFSC, assim como o Conselho de Anciãos, a equipe da ASIE-SC se posiciona a favor da integralidade e potencialidade das terras indígenas, sublinhando o direito de todas as famílias viverem de forma digna e autossustentável, sem serem vítimas de ganância financeira e violência.  

Aos órgãos e autoridades públicas competentes cabe substantivar a justiça e fazer cessar imediatamente a crueldade e brutalidade na TI Serrinha, terra da União para usufruto exclusivo dos indígenas.

Equipe ASIE-SC

20 de outubro de 2021

NÃO AO MARCO TEMPORAL

Justiça para Daiane Griá Kaingang

06/08/2021 16:15

A Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade (ANMIGA), viemos por meio deste manifesto repudiar e denunciar o crime de barbárie cometida na tarde desta quarta-feira (04), no Setor Estiva, da Terra Indígena do Guarita, no município de Redentora, contra a jovem de apenas 14 anos, Daiane Griá Sales, indígena Kaingáng, moradora do Setor Bananeiras da Terra Indígena do Guarita. A jovem Daiane foi encontrada em uma lavoura próxima a um mato, nua e com as partes inferiores (da cintura para baixo) arrancadas e dilaceradas, com pedaços ao lado do corpo.

Temos visto dia após dia o assassinato de indígenas. Mas, parece que não é suficiente matar. O requinte de crueldade é o que dilacera nossa alma, assim como literalmente dilaceraram o jovem corpo de Daiane, de apenas 14 anos. Esquartejam corpos jovens, de mulheres, de povos. Entendemos que os conjuntos de violência cometida a nós, mulheres indígenas, desde a invasão do Brasil é uma fria tentativa de nos exterminar, com crimes hediondos que sangram nossa alma. A desumanidade exposta em corpos femininos indígenas, precisa parar!

Leia nota completa da Anmiga (@anmiga): https://bit.ly/JustiçaDaiane

Somos todas Daiane Griá Kaingang!
Exigimos justiça!

#emergênciaindígena

NOTA DE PESAR E DE HOMENAGEM AO PROFESSOR DOUTOR NANBLÁ GAKRAN

28/06/2021 20:32

A equipe da Ação Saberes Indígenas na Escola – Núcleo Santa Catarina (projeto MEC/UFSC/SED-SC) informa o falecimento do Professor Dr. NANBLÁ GAKRAN, ocorrido no dia 26/06/2021. A equipe da ASIE-SC o faz consternada, com profundo pesar e inconformidade.

O professor atuou na Ação Saberes Indígenas na Escola – Núcleo Santa Catarina no papel de orientador de caminhos, de revisor de livros quanto à língua laklãnõ-xokleng. Participou de encontros e eventos.

Sua partida surpreendeu a todos: ASIE-SC, Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Núcleo de Estudos de Populações Indígenas e muitos outros órgãos da UFSC, além da Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina, da UnB e assim por diante.

NANBLÁ GAKRAN vivia profícuo momento de vida profissional, dada a sua formação acadêmica somada à educação tradicional laklãnõ-xokleng. Trata-se, assim, de irreparável e inconsolável perda.

A ASIE-SC externa sua homenagem a NANBLÁ GAKRAN e deseja força e luz à família, às aldeias, às escolas, à terra indígena, à educação escolar indígena laklãnõ-xokleng, ao povo Laklãnõ-Xokleng. Bem se sabe que sua trajetória foi tanto árdua quanto vitoriosa. De destaque sua luta a favor da valorização da memória e voz das anciãs e anciãos, bem como da língua laklãnõ-xokleng.
Solidariedade.

U ta te, Nanblá!

Homenagem Póstuma à anciã Deolinda Ginso de Assis

27/05/2021 20:15

A Ação Saberes Indígenas na Escola manifesta seu profundo pesar quanto ao falecimento da anciã Deolinda Ginso de Assis.

Deolinda Ginso de Assis nasceu no dia 02 de janeiro de 1929 na comunidade Sede da TI Xapecó, onde se criou e até hoje permanece. É filha de João Tertulibio e Maria Cristina Gabriel, ambos Kaingang da mesma Terra Indígena. É viúva e seus filhos são: Pedro Kresó, Osmelinda Rin Alípio, Sirlei Kanu Alves de Assis e Arnaldo Alves de Assis. Sirlei e Arnaldo atuam como professores da EIEB Cacique Vanhkrê. Deolinda aprendeu muitas coisas com seus avós e pais. Sempre participava das conversas dos mais velhos e com eles ia aprendendo as histórias que conta hoje. Dona Deolinda fala que antes existiam muitos rezadores como os Kujás, mas que hoje já está terminando. Ela é uma das rezadeiras que ainda existem na comunidade, e conta: “Existem vários tipos de rezas. Dependendo da ocasião é um tipo de reza e cada rezador sabe diferentes rezas, mas isso está se terminando. A gente pode ensinar como aprendi com meu pai. Mas ninguém mais quer aprender, os novos, as meninas só querem aprender outras coisas que não é do nosso Povo!” Dona Deolinda relata que participou de vários rituais do Kiki na comunidade, porém lamenta que hoje não exista mais. Sua marca tribal é Kanhrú, que signifi ca círculo. De acordo com a história do povo Kaingang, os Kanhrú foram o segundo povo a surgir sobre a terra e por isso são baixinhos. Ela gosta de batizar as crianças da comunidade e dar o nome indígena do mato, ou nome próprio. Entende muito sobre o batismo, sendo que as crianças Kaingang são batizadas na água corrente, nas Águas Santas para não pegar doenças

O sentimento é de gratidão por tantos aprendizados.